quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Capítulo 29 - Os Tritões e as Amazonas Parte 01

                                Hoje amanheci tranquilo. Fui para o colégio, falei com o pessoal da minha sala, curti um pouquinho com o Guto e o Raíque, depois assisti mais aula... Foi tudo tranquilo.
                                Fazia mais de uma semana que nada de ruim acontecia com a gente. Nenhum monstro, nenhum principe do mar nescessitado, nenhuma procura louca... Nada. Até que, na hora da saída, eu peguei uma coca na lanchonete e comecei a beber. Depois, o Samuel deu um tchau pra mim de longe e quando fui responder, acabei sem querer derrubando coca-cola em alguém.
                                Olhei pro lado e vi uma menina bem bonitinha com cara de assustada e coca-cola na camisa. Ela me olhou, e sua expressão de assustada passou para P da vida.
                                 "Idiota!" Ela pensou. Só não me deu um tapa porque estava com uma pilha de livros nas mãos. Ela foi embora rapidamente, mas eu corri atrás dela.
                                -Ei, desculpa, mesmo! Eu não tinha te visto. - Eu disse. A expressão de raiva dela se amenizou um pouco.
                                -Tá bom. Acontece. - Ela disse, olhando pra baixo, aparentemente com medo de olhar nos meus olhos.
                                -Quer que eu limpe sua camisa? Eu tenho um pano aqui. - Falei. Enfiei a mão do meu bolso e dei a ela um pano velho que eu sempre carregava. Ela pegou o pano e ficou olhando para ele... Depois, olhou pra mim. Olhou em meus olhos, e depois baixou os dela, com as bochechas vermelhas.
                                -Não precisa.- Ela disse, me entregando o pano.
                                -Ah... Tá bom. Só espero que você não fique com...
                                Ela derrubou os livros no chão, esparramando-os pelo chão. Ouvi gente ao redor rindo de nós dois. Bando de idiotas desocupados. Ajudei-a a juntar os livros e vi que muitos eram do colégio, mas um era um caderno, que acabou caindo aberto, mostrando vários desenhos, e pô! Eram incriveis! Aquela menina desenhava muito bem! Pareciam tão realistas. Entreguei os livros a ela e depois vi um desenho incrivel de uma menina num banco de praça.
                                -Nossa, você que fez? - Perguntei. A menina não tomou o caderno da minha mão nem nada, apenas balançou a cabeça afirmando que sim. Depois, percebendo que ela estava meio desconfortável, entreguei a ela, que saiu praticamente correndo de perto de mim. Ok... Acho que aquilo pegou mal.
                                -Que é isso, Pedrita? Derrubando coca na camisa da gata? Pegou mal, hein... - Ouvi Davi dizer, quando passou por mim. Dei um cotoco pra ele, que saiu rindo com seus "amigos". Rá, se ele soubesse que eles só ficam com ele porque ele por um acaso tem um carro zerado...
                                 Esqueci disso e esperei minha mãe chegar e me levar pra casa.
                                 Almocei, e depois de ter feito a tarefa xuxu-beleza de História, fui assistir um DVD. Fazia um tempão que eu não assistia Premonição! Já saiu o novo, né? Então, o meu celular tocou. Atendi e levei um susto.
                                  -Calma Samu! Respira! O que foi que houve?
                                  -O Norato, Pedro! Ele foi até a Amazônia. - Samuel falou.
                                  -Fazer o quê, na Amazônia? - Eu perguntei, aflito.
                                  -Não sei, só tive uma visão dele indo pra lá através do Acquatransporte! - Ele disse.
                                  -Nossa, mas o que é que nós temos de tão ligado com a Amazônia, hein?
                                  -Ah, Pedro, é lá onde quase todas as criaturas mágicas estão! - Samuel falou.
                                   Fiquei quieto por um segundo.
                                   -É? E... Quantas criaturas? - Perguntei.
                                    -Sei lá, mah, milhares. Olha, a gente tem que ir atrás do Rato, tô com um mal pressentimento. Já chamei o Guto e o Raique. Só falta você.
                                     Desliguei o celular e avisei à empregada que iria pra casa de um amigo.

                                      Menos de uma hora depois, estávamos na floresta Amazonica, de novo.
                                     -Por onde ele foi, Samu? -Raíque perguntou.
                                     -Não tenho certeza. Era por aqui, mas não sei que direção ele seguiu. - Ele disse.
                                     -Ah, agora complicou né, pô! Pra que é que o Rato foi se enfurnar aqui de novo? A gente mal acaba de dar uma surra nos caboclo d'água e ele já quer lutar? - Guto resmungou.
                                      -Para, Guto. A gente tem que raciocinar. - Eu disse. Então... - Já sei. Peguem seus muiraquitãs! -Tiramos nossos colares do pescoço e juntamos. - Agora, eles vão indicar.
                                       Ficamos em silêncio, mas nada aconteceu. Os muiraquitãs nem se mexeram.
                                        -Err... Alguém pode dizer alguma coisa? - Pedi.
                                        -Eu! Eu! Eu! - Raíque disse, erguendo a mão. Depois deu um riso. - Hehe! Nunca fiz  um feitiço antes. Hmmm... "Muiraquitãs do... Reino perdido, mostrem nosso amigo tritão perdido!"
                                        Reino perdido? Duvidei que fosse funcionar, mas ao olhar de novo, vi que as pedras estavam brilhando, e começaram a nos puxar por uma direção, como se um imã as puxasse. Fomos seguindo, sem saber por onde estavamos indo.
                                         -Ele passou por aqui. - Samuel falou, quando passamos perto de um arbusto com folhas de bananeira caidas.
                                         -Como você sabe? - Guto perguntou.
                                         -Eu consigo ver o passado tocando nas coisas. Ele esteve aqui e seguiu na direção que os muiraquitãs estão apontando. - Ele disse.
                                          Fomos correndo, com os muiraquitãs nos guiando, até que chegamos a um rio.
                                          -Ele seguiu a nado? Mas pra onde? - Raíque perguntou. Não soubemos responder. Até que Guto foi entrando na água, esparramando pra todo canto.
                                           -Ei, Guto! Para com isso, não temos tempo pra...
                                           -Não sou eu! O muiraquitã tá me puxan...
                                            Antes de terminar de falar, já estava no fundo do rio. Nossas pedras fizeram o mesmo, e foram nos puxando até o fundo do rio, com a água bem escura.
                                             Quando eu já estava ficando com medo de algum bicho nos abocanhar, ergui minha mão para a frente e toquei o ar. Mas como era possivel? Sem entender, nadei para a frente e... Sai da água! Era como se existisse uma outra superficie, só que... Embaixo do rio? É bem confuso.
                                              Emergimos na água e olhamos ao redor. Estávamos num  lago, com uma lua enorme no céu. Ouvi um barulho nas árvores, o lago onde estavamos era cercado por elas.
                                              "Será que tem um bicho aqui? " Eu perguntei.
                                              "Calma, a gente não vai machucar um animal, né?" Raíque perguntou.
                                              "Se eles avançarem na gente, acho que sim. " Samuel respondeu.
                                              "Gente... O que é..."Guto pensou, trêmulo.
                                              Olhamos na direção para onde ele olhava e demos de cara com um par de olhos claros nos fitando na escuridão. Antes que pudéssemos tremer de medo, uma india saiu gritando das árvores e pulou no lago com uma lança. Ela parou um minuto e falou alguma coisa numa lingua que não entendemos. Depois, uma luz azulada brilhou na água e... Caramba! Ela era uma sereia! Ela deu um salto até nós, com aquela lança... Ah, não aguentei! Joguei um raio nela, que voou até o outro lado do lago. Depois, veio rapidamente até nós e tentou outro ataque. Esquivamos dela, prontos pra atacar.
                                               -Não! Não! Esperem! - Samuel falou. Paramos, e a india também.
                                               -O que foi, Samuel? - Perguntei.
                                               -Ela... Eu não acredito, ela é mesmo uma...
                                               -Fala logo, galego! - Guto exclamou.
                                               -Ela é uma das Amazonas! - Ele falou, maravilhado. A india olhou ferozmente para nós, mas não atacou. Será... Que ela era mesmo?
                                       
                                             
                   
                                 
                                     
       
                     

Um comentário:

  1. Adorei o novo amor de Pedro!!! =D Ta MANEIRASSO esse capitulo!!!!

    ResponderExcluir