sábado, 29 de maio de 2010

Capítulo 5-Um Tritão tem Companhia


Nossa, o dia hoje foi muito sufocante.
Tudo começou na aula de educação física.
Hoje o exercício seria na piscina, e eu (Graças a Deus) havia esquecido o short de ginástica. Subi na arquibancada da quadra e fiquei observando o pessoal jogando vôlei aquático. Pra minha surpresa, Guto apareceu do meu lado.
-Cê esqueceu o short também?-Perguntei.
-Pois é... E eu também não gosto muito de nadar.- Ele respondeu. Percebi que ele olhava as meninas de maiô, principalmente a Tereza. Ela era uma das meninas mais bonitas da nossa sala (claro que não tanto quanto a Lúcia) e ele com certeza não ia deixar essa passar.
No final da aula, todos começaram a sair da piscina, menos o Davi e sua guangue. Eles começaram a jogar água em todo mundo, e... Isso mesmo. Me deram um caudo e tanto.
-Seu idiota filho da mãe!! - Eu gritei pra Davi, e sai correndo da quadra. Me enfiei dentro do banheiro masculino, que em horário de aula estava vazio.
-Secar...Secar...Eu tenho que me secaarr...-Fiquei repetindo, nervoso. Aproveitei pra contar mentalmente. "...6...7...8...9..."Porém, eu ouvi passos entrando no banheiro. Era o Guto, que parecia preocupado.
-Tá tudo bem, Pedro? Eu vi você correndo...- Ele disse.
-Não,tá tudo ótimo!! - Eu disse num tom estérico. Ele me olhou estranhando. Senti meus pêlos se transformando em escamas.
-Meu, não me leva a mal, mas eu queria um pouco de privacidade...
-Hmm... Por que? Cê vai mijar no meio do banheiro por acaso?
-Não! Tá doido, claro que não é que...- Um turbilhão de água apareceu no ar e começou a me cobrir, me fazendo cair no chão. Lá estava eu, sem camisa, com minha imensa cauda negra e verde. Guto arregalou os olhos, como se não acreditasse no que via.
-Cara, por favor, não conta pra ninguém, por favor... - Eu implorei pra ele. Guto ficou mudo por um tempo, depois começou a rir. Ele, inesplicavelmente, abriu a torneira e passou a água nas mãos. Ele parou do meu lado e começou a contar.
-1...2...3...4...- As pernas dele, que eram morenas, foram adquirindo uma cor mais clara, meio rosa - ...5...6...7...8...- Vi que uma barbatana cresceu onde seria a bunda dele(?!) - ...9...10....11...12...- As pernas dele ficaram brilhantes e lisas, como a pele de um golfinho - ...13...14...15...16.- Um turbilhão de água vinda do ar o cobriu, girando ao redor das pernas dele, e depois ele caiu ao meu lado. Olhei para ele chocado:
Ele estava sem camisa, com uma enorme cauda de peixe, digo, de golfinho.
-Não se preocupa, não vou falar nada.
No outro dia, passamos o recreio conversando sobre isso. Ele me contou que era filho de um boto cor de rosa. Me espantei, sempre achei que era uma lenda tão estupida! Um golfinho saindo da água na lua cheia e indo paquerar as garotas nas festas! Mas ele disse que foi assim com a mãe dele, e que aos treze anos ele descobriu isso tudo.
-E você tem algum poder?-Perguntei.
-Ah, tenho. Você viu, naquele dia em que eu fiz o Davi descer até o chão! - Ele disse, me fazendo rir. Então, ele tinha gritos supersônicos? Incrível. Bom, pelo menos agora tenho alguém pra dividir minha sina.
Enfim, minha turbinada vida de tritão se tornou bem mais suportável agora que tenho um amigo com quem compartilhar as dificuldades de ser meio peixe. E pensando bem, até que não é tão ruim assim.

2 comentários:

  1. Sempre gostei de sereias des de criança. Na minha pesquisa por tritões encontrei seu blog. Continue a escrever! Gostei bastante! Me chamo Jefferson! Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. igual como fiz pesquisei e encontrei eles

    ResponderExcluir